Pular para o conteúdo principal

PERIFE - uma revista de moda e atitude periférica

Por Rafael Critsiano - Grajaú/ Zona Sul de SP




Parei pra pensar que nossas referências de “coisas bem feitas”, ou apenas de “coisas feitas” está nos centros, está na mídia e está nas bancas. Mas e eu? E nós? Que somos e estamos na Periferia de uma mega cidade como São Paulo, marginais por quê vivemos à margem de uma sociedade e rodeados por uma represa. Pret@s, bichas, sapatões, travestis, favelad@s, cansadas e cansados de estar em gaiolas de estereótipos, e prontas para explodi-las.
A Perife surge dessa vontade, ela nasceu de uma conversa sem pretensão, e de uma resposta afiada e pé no chão: “Nois daqui temo que fazer nóis por nóis memo, dinheiro nois nunca teve e coisa a gente sempre fez”.

Estamos localizados no Grajaú, periferia no extremo sul de SP, um lugar aonde as linguagens artísticas proliferam em um ambiente que é muito fértil, um lugar de encontros entre diversos artistas, grupos de dança, teatro, música, saraus espalhados pelos botecos, senhoras costureiras e artesãs. Porque não aqui? Porque não criar uma revista que fale com essas pessoas, que diga coisas escritas por essas pessoas, que dialogue com @s morador@s daqui. Talvez seja pretensão grande, mas acho que a intensão é essa. É esse o lugar que moramos, que queremos estar, e que queremos conhecer cada vez mais.

A Perife é definida como uma revista de moda e atitude periférica. Atitude porque estamos sempre em movimento, estamos sempre criando gírias, danças, música, e isso tudo no cotidiano, enquanto ocupamos vagões de trens superlotados, pra nos locomover atrás de estudo e trabalho. Uma dessas criações periféricas é a moda. E eu entendo por moda criada aqui tudo.



Desde quem usa loja de departamento, quem compra e monta look nas lojas do bairro em que qualquer peça é 10 conto, quem garimpe os poucos brechós existentes aqui, quem compra as camisetas estampadas da internet, quem pega das irmãs e irmãos mais velhos e de amig@s que não servem mais, e quem crie as suas próprias roupas (um dos modelos da primeira edição da Perife é costureiro, filho de costureira, e ambos criam roupas pra el@s e pras pessoas do bairro).

Eu entendo por moda criada aqui, qualquer uma delas. Entendo quem cria a partir da condição, quem cria look com referência na novela das 8, e quem inventa, mistura cor, coloca blusa por cima de blusa, bota umas toca no meio e diz: “Eu mesma que inventei.amiga”. A moda do funk que é BEM presente aqui, com as imitações de marcas (ou alguns com as verdadeiras, rs). E com as “meninas que não sentem frio”. A galera do rock, que só sai de casa se for pra sair de preto. Somos muit@s e de muitas vertentes, a Perife quer nos colocar no centro dessas discussões. Mostrar o que criamos e como criamos.

Não esperamos mais estar nos lugares que não foram pensados pra nós. Cansamos. E estamos criando os nossos lugares, pensados e planeados de uma forma que nos caiba. Estamos subvertendo nossas condições, e criando a partir delas, essa é a nossa referência. 




Postagens mais visitadas deste blog

CURSO ON LINE SOBRE ENCARCERAMENTO FEMININO COMEÇA EM MARÇO

No dia 30 de Março, começara o curso inédito sobre o sistema prisional no Brasil e o encarceramento feminino.Confira!



A população carcerária feminina subiu de 5.601 para 37.380 detentas entre 2000 e 2014, um crescimento de 567% em 15 anos. A maioria dos casos é por tráfico de drogas, motivo de 68% das prisões. Os dados integram o Infopen Mulheres, levantamento nacional de informações penitenciárias do Ministério da Justiça, que, pela primeira vez, aprofunda a análise com o recorte de gênero.

No total, as mulheres representam 6,4% da população carcerária do Brasil, que é de aproximadamente 607 mil detentos. A taxa de mulheres presas no país é superior ao crescimento geral da população carcerária, que teve aumento de 119% no mesmo período. Na comparação com outros países, o Brasil apresenta a quinta maior população carcerária feminina do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos (205.400 detentas), China (103.766) Rússia (53.304) e Tailândia (44.751).


Cerca de 30% das presas no Brasil ainda a…

CURSO ON LINE SOBRE A HISTÓRIA DO FEMINISMO NEGRO NO BRASIL

Curso acontecerá no mês de Maio na modalidade on line, e oferecerá certificação de 40 horas aos participantes. Confira!


Um dos processos que temos vivenciado no Brasil, é a permanente sensação que nos falta senso histórico.
Frequentemente, nas rodas de conversas, debates e formações sobre feminismo negro, temos tido muita dificuldade em entender o desenvolvimento dessa corrente teórico e politica que é o chamado feminismo negro.
Para responder a essa demanda, o Coletivo Di Jejê, convida a todos para participarem do curso A história do Feminismo Negro no Brasil.

Ele vai durar 45 dias e será dividido em 4 módulos! Xs participantes poderão acessar o curso dentro de sua rotina, e contarão com o apoio e orientação de uma tutora. 

Módulo 1 - Circulo temático: O que é ser mulher negra?

Módulo 2 - Por que um feminismo negro?

Módulo 3 - Circulo temático - Movimento Nacional de Mulheres Negras: as demandas das mulheres negras ou as mulheres negras demandam?

Módulo 4 - Princípios epistemológicos do femi…

CURSO ON LINE O PENSAMENTO DE ANGELA DAVIS PELO COLETIVO DI JEJÊ

No dia 15 de Abril, começara a terceira turma do curso on line O pensamento de Angela Davis, cujo objetivo é discutir as 5 décadas de produção acadêmica da autora, trabalhando conceitos como racismo, complexo industrial prisional, liberdade e feminismo. INSCREVA-SE!

O curso acontece numa plataforma virtual chamada Moodle, o material fica disponivel, e os participantes acessam dentro de sua rotina. O inicio será dia 15 de Abril, com término previsto para o dia 30 de Maio.  Os participantes anida contam com o apoio de uma tutora. A curadoria de conhecimento do curso, fica por conta de Jaque Conceição, coordenadora do Di Jejê que vem pesquisando  o pensamento de Angela Davis nos últimos quatro anos. 
Serviço: Curso on Line O pensamento de Angela Davis Quando: 15 de Abril a 30 de Maio Quanto: 60 reais Inscrições AQUI


Ementa:
Conteúdo programático: Módulo I - Introdução ao pensamento de Angela DavisMódulo II - LiberdadeMódulo III - Feminismo e Feminismo NegroMódulo IV - Sistema PrisionalMódulo VI - …