Pular para o conteúdo principal

A leitura cinematográfica de Spike Lee e a condição da mulher negra


Spike Lee é um gênio do cinema norte americano, e isso ninguém dúvida. Seus filmes retratam com muita riqueza poética o processo de formação presente na comunidade negra urbana e  norte americana.
Amores, família, violência, amigos, sexualidade, dilemas e conflitos fazem parte desse enredo, e em todos seus filmes, a mulher negra têm um papel central.
Spike Lee nos aponta, que não é possível falar sobre a comunidade negra, sem dialogar sobre a importância da mulher negra nessas comunidades.
A maternidade, nesse contexto ultrapassa o conceito de maternidade burguês, nas comunidades negras, na leitura de Spike Lee: a maternidade é vista como ponto central da dinâmica dessas mulheres, mesmo quando elas não são mães biológicas, elas são mães sociais das comunidade e gerem os dilemas e conflitos, prazeres e sucessos dos indivíduos da comunidade.
Um dos aspectos importantes que a sutileza poética de Lee escancara em seus filmes, é a condição solitária da mulher negra. Não apenas do ponto de vista afetivo, como no emblemático Febre na Selva, mais a forma como essa solidão é legitimada, inclusive entre os membros da comunidade.
Nos filmes de Spike Lee, cada mulher preta é um universo em crise, administrando a crise dos outros universos, elas são uma especie de buraco negro onde todas as dores de todos os outros universos caem, mais a sua dor continua ali, latente e muda.
É a partir dessa reflexão,a leitura cinematográfica das comunidades negras expressa nos filmes de Spike Lee, e tendo Crooklyn como ponto de partida, que o Coletivo Di Jejê vai desenvolver seu próximo curso, sobre a Solidão da Mulher Preta.
O objetivo do curso é debater o papel social designado à mulher negra no interior da comunidade negra pela própria comunidade negra.
Se interessou?
Então corre e faz sua inscrição, até dia 20 de Outubro. O valor é 35 reais com certificado (entregue no dia do curso) e alimentação inclusa.
Ainda restam algumas vagas!
Ah! Homens são bem vindos!

Serviço : 

Curso Presencial A solidão da mulher negra
Data: 05 de Novembro de 2016
Local: Casa Comunitária Coletivo Di Jejê / Rua Caetano Gonçalves, 75 (Chora Menino/São Paulo - Santana/ Próximo a Linha Azul)
Horário: 10hs as 18hs
Valor: 35,00 - INSCRIÇÃO AQUI
Vagas: 25 lugares
Cronograma: 10hs - Café
10h30m - Roda de apresentação
11h - O mito da solidão da mulher negra
13h - 14h - Almoço
14h - Colorismo, relacionamento interracial, despigmentação: a escravidão de ontem, o (des)afeto de hoje
16h - Café
16h30m -Familia negra e a masculinidade negra


Para pagamento via depósito ou transferência bancária via Banco do Brasil:
Agência: 1552-0
Conta Corrente:105680-8
Valor:35,00
Favorecida: Jaqueline Conceição da Silva
CPF: 339.747.838-30


Para pagamento via Paypal (cartão de crédito): https://www.paypal.com/cgi-bin/webscr?cmd=_s-xclick&hosted_button_id=VHZBGHTRTSMVW


Postagens mais visitadas deste blog

CURSO ON LINE SOBRE ENCARCERAMENTO FEMININO COMEÇA EM MARÇO

No dia 30 de Março, começara o curso inédito sobre o sistema prisional no Brasil e o encarceramento feminino.Confira!



A população carcerária feminina subiu de 5.601 para 37.380 detentas entre 2000 e 2014, um crescimento de 567% em 15 anos. A maioria dos casos é por tráfico de drogas, motivo de 68% das prisões. Os dados integram o Infopen Mulheres, levantamento nacional de informações penitenciárias do Ministério da Justiça, que, pela primeira vez, aprofunda a análise com o recorte de gênero.

No total, as mulheres representam 6,4% da população carcerária do Brasil, que é de aproximadamente 607 mil detentos. A taxa de mulheres presas no país é superior ao crescimento geral da população carcerária, que teve aumento de 119% no mesmo período. Na comparação com outros países, o Brasil apresenta a quinta maior população carcerária feminina do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos (205.400 detentas), China (103.766) Rússia (53.304) e Tailândia (44.751).


Cerca de 30% das presas no Brasil ainda a…

CURSO ON LINE SOBRE A HISTÓRIA DO FEMINISMO NEGRO NO BRASIL

Curso acontecerá no mês de Maio na modalidade on line, e oferecerá certificação de 40 horas aos participantes. Confira!


Um dos processos que temos vivenciado no Brasil, é a permanente sensação que nos falta senso histórico.
Frequentemente, nas rodas de conversas, debates e formações sobre feminismo negro, temos tido muita dificuldade em entender o desenvolvimento dessa corrente teórico e politica que é o chamado feminismo negro.
Para responder a essa demanda, o Coletivo Di Jejê, convida a todos para participarem do curso A história do Feminismo Negro no Brasil.

Ele vai durar 45 dias e será dividido em 4 módulos! Xs participantes poderão acessar o curso dentro de sua rotina, e contarão com o apoio e orientação de uma tutora. 

Módulo 1 - Circulo temático: O que é ser mulher negra?

Módulo 2 - Por que um feminismo negro?

Módulo 3 - Circulo temático - Movimento Nacional de Mulheres Negras: as demandas das mulheres negras ou as mulheres negras demandam?

Módulo 4 - Princípios epistemológicos do femi…

CURSO ON LINE O PENSAMENTO DE ANGELA DAVIS PELO COLETIVO DI JEJÊ

No dia 15 de Abril, começara a terceira turma do curso on line O pensamento de Angela Davis, cujo objetivo é discutir as 5 décadas de produção acadêmica da autora, trabalhando conceitos como racismo, complexo industrial prisional, liberdade e feminismo. INSCREVA-SE!

O curso acontece numa plataforma virtual chamada Moodle, o material fica disponivel, e os participantes acessam dentro de sua rotina. O inicio será dia 15 de Abril, com término previsto para o dia 30 de Maio.  Os participantes anida contam com o apoio de uma tutora. A curadoria de conhecimento do curso, fica por conta de Jaque Conceição, coordenadora do Di Jejê que vem pesquisando  o pensamento de Angela Davis nos últimos quatro anos. 
Serviço: Curso on Line O pensamento de Angela Davis Quando: 15 de Abril a 30 de Maio Quanto: 60 reais Inscrições AQUI


Ementa:
Conteúdo programático: Módulo I - Introdução ao pensamento de Angela DavisMódulo II - LiberdadeMódulo III - Feminismo e Feminismo NegroMódulo IV - Sistema PrisionalMódulo VI - …