Pular para o conteúdo principal

CURSO ON LINE INÉDITO SOBRE SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA DA MULHER NEGRA

No dia 30 de Abril, começará o primeiro curso on line e inédito sobre saúde sexual e reprodutiva da mulher negra. Inscrições seguem até dia 29 de Abril.



O curso tem 40 horas de duração, começa dia 30 de Abril e vai até dia 30 de Junho. serão oferecidas 40 vagas. O valor da inscrição é 60 reais e será oferecido o certificado de participação para os que tiverem 75% de frequência no ambiente virtual de aprendizagem, o Moodle. 
O curso têm a curadoria de conhecimento elaborada pela mestranda da UNESP de Araraquara, a psicologa Elânia Francisca: psicóloga graduada pela Universidade de Santo Amaro – UNISA, especialista em gênero e sexualidade pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, mestranda em Educação Sexual pela Universidade Estadual Paulista – UNESP Araraquara pesquisando sobre vivências afetivo-sexuais de adolescentes negras do distrito do Grajaú. Oficineira e facilitadora de vivências em gênero e sexualidade, idealizadora do Núcleo “Sexualidade Aflorada”, onde realiza pesquisa, experimentos e vivências socioeducativas em sexualidade e potência do corpo. Membro do Coletivo Mulheres na Luta e consultora na temática de Gênero e Sexualidade.
Todo o material utilizado, estará disponível para download, e os alunos podem acessar o curso a partir de sua rotina e disponibilidade, e terão a orientação de uma tutora.
O público avo do curso são pesquisadoras e pesquisadores da temática e demais interessados.

Confira a ementa do curso:


EMENTA: Os direitos sexuais e reprodutivo da mulher negra no Sistema Único de Saúde. Distinções entre saúde sexual e saúde reprodutiva. A regulamentação da laqueadura no Brasil e a questão racial. Saúde sexual e reprodutiva de mulheres negras lésbicas, bissexuais e trans. O lugar do amor no debate sobre saúde sexual e reprodutiva de mulheres negras.


BIBLIOGRAFIA BÁSICA


BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Sexual e Reprodutiva. Caderno de Atenção Básica 26. Disponível em <http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad26.pdf> Acesso em: 29 março 2017

BRASIL. Ministério da Saúde. Mulheres Lésbicas e Bissexuais Direitos, Saúde e Participação Social. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/mulheres_lesbicas_bisexuais_direitos_saude.pdf> Acesso em: 30 março 2017

DAVIS, Angela. Racismo, controle de natalidade e direitos reprodutivos. In: Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016

DAMASCO, Mariana Santos.; MAIO, Marcos Chor; MONTEIRO, Simone Feminismo negro: raça, identidade e saúde reprodutiva no Brasil (1975-1993). Revista Estudos Feministas. Florianópolis, 20(1): 344, jan.2012

GIACOMINI, Sônia Maria. Mulher e escrava: uma introdução histórica ao estudo da mulher negra no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1988

HOOKS, Bell. Vivendo de Amor. Tradução Maísa Mendonça. Disponível em <http://www.geledes.org.br/vivendo-de-amor/#gs.LKPzFfI> Acesso em: 30 março 2017

PACHECO, Ana Claudia Lemos.. Mulher negra: afetividade e solidão. Salvador: EdUFBA, 2013.


Serviço: 

O que? Curso On line Saúde sexual e reprodutiva da mulher negra

Quando? De 30 de abril a 30 de Junho de 2017

Quem? Todos os interessados e pesquisaoras/es do campo

Quanto? 60 reais

Onde? Plataforma Virtual Moodle  - edu.kilombagem.net

Inscrições até dia 29 de Abril




Postagens mais visitadas deste blog

CURSO ON LINE SOBRE FEMINISMO INTERSECCIONAL COMEÇA EM SETEMBRO

Curso pretende discutir o conceito de interseccionalidade e pensamento decolonial, dentro do feminismo na América Latina. Inscrições já estão abertas, e curso começa em Setembro com certificação de 90 horas. Inscreva-se!
Interseccionalidade (ou teoria interseccional) é o estudo da sobreposição ou intersecção de identidades sociais e sistemas relacionados de opressão, dominação ou discriminação. 

A teoria sugere e procura examinar como diferentes categorias biológicas, sociais e culturais, tais como gênero, raça, classe, capacidade, orientação sexual, religião, casta, idade e outros eixos de identidade interagem em níveis múltiplos e muitas vezes simultâneos. Este quadro pode ser usado para entender como a injustiça e a desigualdade social sistêmica ocorrem em uma base multidimensional.

A interseccionalidade sustenta que as conceituações clássicas de opressão dentro da sociedade — tais como o racismo, o sexismo, o classismo, capacitismo, bifobia, homofobia e a transfobia e intolerâncias b…

DI JEJE LANÇA CURSO INÉDITO SOBRE MASCULINIDADE NEGRA E FEMINISMO NEGRO

No dia 30 de Agosto, começará o curso inédito sobre masculinidade negra. O encontro virtual têm por objetivo discutir a masculinidade negra a partir do feminismo negro. Serão oferecidas 42 vagas, inscreva-se!




Os debates sobre a condição do homem negro, faz parte das demandas e analises do feminismo negro. Analisar o genocídio da juventude negra, passando pela afetividade e chegando na formação da masculinidade negra é fundamental para avançarmos sobre a realidade a fim de compreender a condição do individuo negro. Esse curso pretende apresentar as pesquisas realizadas no campo, aliar algumas discussões articuladas por feministas negras brasileiras e estadudinenses, e pautar o pensamento de Frantz Fanon. Acontece totalmente on line, tem duração de 90 horas com certificação ao final. Inscreva-se!
Ementa: discutir o conceito de masculinidade e compreender o processo de constituição da masculinidade negra, a partir da contribuição do feminismo negro.
Módulo 1 - O que é masculinidade negra? …

Curso on line sobre feminismo negro, racismo e cyber ativismo começa em Setembro

Curso abordará o feminismo negro e a luta anti racista a partir do cyber ativismo, destacando a articulação via mídias sociais. O curso começa dia 10 de Outubro, acontecerá on line e oferecerá 24 vagas. Inscreva-se!



ciberativismo é um termo recente e consiste na utilização da internet por grupos politicamente motivados que buscam difundir informações e reivindicações sem qualquer elemento intermediário com o objetivo de buscar apoio, debater e trocar informação, organizar e mobilizar indivíduos para ações, dentro e fora da rede. Hastages, tuitaços, likes, lives e afins são as estratégias utilizadas pela nova geração de ativistas.  No movimento negro, isso não tem sido diferente, sobretudo podemos destacar ativistas negras que se destacam por suas reflexões, analises e proposições, e que muitas vezes extrapolam as midias digitais. Nesse curso, vamos conehcer a produção realizada pela arquiteta, feminista negra e ativista Stephanie Ribeiro, além de conhecermos sobre o trabalho desenvolvi…