Pular para o conteúdo principal

DI JEJÊ LANÇA CURSO INÉDITO SOBRE A MULHER NEGRA E A HOMOSSEXUALIDADE


Curso têm inscrições abertas até dia 08 de Junlo, e conta com a curadoria de conhecimento da professora, pesquisadora da UNIFESP e ativista Ryane Leão. Inscrições AQUI.




O curso tem por objetivo apresentar as múltiplas vivências da mulher negra e lésbica, trazendo informações essenciais para a construção e consolidação da nossa história de luta, para o resgate de nossa identidade e para a importância das referências novas e antigas na edificação da nossa resistência. Abordarei assuntos como identidade de gênero e orientação sexual, racismo e preconceito, invisibilidade, representação, relacionamentos, afetividade e violência, hiperssexualização, entre outros. Cada aula irá propor um tema de debate em relação à homoafetividade da mulher negra, trazendo extenso material bibliográfico para um assunto tantas vezes silenciado e ignorado. Mulheres negras lésbicas existem e resistem!

Será um curso totalmente on line, voltado para todos os públicos que tenham interesse, pesquisadores ou não. Acontecerá numa plataforma virtual, e o inicio esta marcado para o dia 10 de Julho.

A curadoria de conhecimento será feita por Ryane Leão que é mulher preta e lésbica, professora, escritora e artista de rua. É também estudante de Letras na UNIFESP. Trabalha com o resgate da cultura negra na escola Black to Black, especializada no ensino do inglês para mulheres negras com foco em cultura afro. Também publica seus poemas em forma de lambe-lambe e na internet com o projeto Onde jazz meu coração. Seu primeiro livro foi financiado pelo Catarse e tem prévia de lançamento para 2017.

Serviço: Curso On line As pluralidades da mulher negra e lésbica
Quando de 10 de Julho a 30 de Agosto
Quanto: 60 reais
Onde: http://edu.kilombagem.net.br
Para quem: todos os interessadxs no tema.


Postagens mais visitadas deste blog

PRECISAMOS FALAR SOBRE COLORISMO

Afinal, o que é COLORISMO ? Qual  a origem desse termo? Há muitas discussões sobre essa temática no Brasil. Expressões como afrobege , afroconveniente , pardo , mestiço , são associadas a temática do colorismo. Existem diversas explicações: a eugênia imposta no Brasil no final do século XIX e começo do século XX, a mestiçagem forçada entre negros e europeus através do estupro de mulheres negras escravizadas .  O processo da mestiçagem racial , também está ligada ao apagamento cultural e histórico da herança africana , presente no processo de construção da identidade brasileira . Pensando sobre a necessidade da realização desse debate, que o Coletivo Di Jeje , te convida para a web aula Colorismo, com Jaque Conceição . A aula vai acontecer on line via streaming , no dia 10 de Julho as 19hs , GRATUITAMENTE . Para participar, acesse o link e se inscreva. As inscrições vão até dia 08 de Julho , e as vagas são LIMITADAS . Haverá emissão de certificados . A

Mulheres Negras: pelo corpo, entre o corpo, no corpo

Jaqueline Conceição da Silv a Fundadora e Coordenadora do Coletivo Di Jeje Doutoranda em Antropologia Social/UFSC Penso sempre, que nenhuma ideia chega sozinha: as idéias são frutos das experiências que compartilhamos ao longo de nossas jornadas. E assim, o percurso da jornada como doutoranda da antropologia, tem me feito deslocar a compreensão do feminismo negro apenas como disputa política na pólis, para a formulação de uma existência do corpo negro produzindo a pólis. Não se trata de pensar disputa, mas sim produção da vida e da história. Corpo, tem parecido ser, um ponto central para as mulheres negras, produzirem teoricamente  sobre sua existência. Ele aparece com frequência em textos teóricos, ensaios e pesquisas. Nas mais diferentes formas e contextos. E é o corpo, meu corpo negro, o corpo negro que vamos pensar nesse texto. Corpo, não como unidade física da existência de uma subjetividade subalternizada e domesticada, mas como o espaço de const

KUKALA - plataforma de cursos e conteúdos para professores, pesquisadores e interessados sobre a história e a cultura africana e afro brasileira

KUKALA é uma palavra Bantu que se refere a infância e a formação das crianças através do ensinamento dos mais velhos, mas tendo a leveza e a felicidade infantil como mediadora do aprender e do ensinar. Na cultura ocidental, seria algo como os pilares da Educação da UNESCO: aprender a aprender, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a ser. Para assinar clique AQUI . Como é: uma plataforma de cursos on line com 8 cursos com certificação de 90 horas cada, válidos para progressão funcional de professores da educação básica, elaborados pelo grupo de pesquisadoras do Coletivo Di Jeje. Os cursos são elaborados a partir da curadoria de conteúdo dentro dos 8 temas que são abordados. Quanto é: o usuário faz um pagamento único no valor de 75 reais e pode acessar o conteúdo durante 06 meses, além dos cursos há materiais de apoio como sugestões de aulas e atividades para serem desenvolvidas da educação infantil até o ensino médio, e também web aulas com especialistas convida