Pular para o conteúdo principal

CURSO SOBRE METODOLOGIA DE PESQUISA NO FEMINISMO NEGRO, ACONTECERÁ EM SP, CONFIRA!


O Coletivo Di Jeje vem desde 2014, oferecendo cursos de formação presenciais e on line sobre o feminismo negro no Brasil e intelectuais negras.
Do processo de organização desses cursos, resultou a proposta de trabalho para o curso presencial inédito: Metodologia de Pesquisa no Feminismo Negro.
O objetivo do curso, é apresentar as participantes, um método de trabalho dentro do feminismo negro, a partir da perspectiva teórica das intelectuais brasileiras Lélia Gonzales e Sueli Carneiro, e apresentar, o trabalho de algumas outras pesquisadoras do campo, nos últimos 20 anos no Brasil.
O curso acontecerá em São Paulo, no Estúdio Nú, serão oferecidas 10 vagas, no dia 23 de Junho, das 10hs as 16hs. No valor da inscrição estão inclusos textos, certificados, café da manhã e almoço.
A mediação será feita pela Professora Jaque Concieção, que é pedagoga e mestre em Educação pela PUC - SP e fundadora do Coletivo Di Jeje.
Através da roda de conversa, como metodo de trabalho, o proposito do encontro é fomentar a troca de conhecimento entre as participantes, estimulando a produção do saber a partir do lugar de fala da mulher negra, como uma forma de contemplar diversos saberes e vivências dentro docampo do feminismo.

Serviço: Curso Presencial Metodologia de pesquisa no Femisnismo Negro
Local: Estúdio Nú - Rua Maria Paula, 122/Bela Vista - SP
Dia: 23 de Junho
Horário: das 10hs as 16hs
Público alvo: pesquisadoras sobre a temática do feminismo negro
Quanto: 150 reais (incluso café, almoço, textos e certificados)
Conteúdo: O que é o feminismo negro?, desenvolvimento do feminismo negro no Brasil, métodos de pesquisa utilizados pelas pesquisadoras, quem são Lelia Gonzalez e Sueli Carneiro. 

Inscreva-se CLICANDO AQUI

http://coletivodijeje.iluria.com/pd-597602-curso-presencial-metodologia-de-pesquisa-no-feminsimo-negro.html?ct=&p=1&s=1

Postagens mais visitadas deste blog

PRECISAMOS FALAR SOBRE COLORISMO

Afinal, o que é COLORISMO ? Qual  a origem desse termo? Há muitas discussões sobre essa temática no Brasil. Expressões como afrobege , afroconveniente , pardo , mestiço , são associadas a temática do colorismo. Existem diversas explicações: a eugênia imposta no Brasil no final do século XIX e começo do século XX, a mestiçagem forçada entre negros e europeus através do estupro de mulheres negras escravizadas .  O processo da mestiçagem racial , também está ligada ao apagamento cultural e histórico da herança africana , presente no processo de construção da identidade brasileira . Pensando sobre a necessidade da realização desse debate, que o Coletivo Di Jeje , te convida para a web aula Colorismo, com Jaque Conceição . A aula vai acontecer on line via streaming , no dia 10 de Julho as 19hs , GRATUITAMENTE . Para participar, acesse o link e se inscreva. As inscrições vão até dia 08 de Julho , e as vagas são LIMITADAS . Haverá emissão de certificados . A

Mulheres Negras: pelo corpo, entre o corpo, no corpo

Jaqueline Conceição da Silv a Fundadora e Coordenadora do Coletivo Di Jeje Doutoranda em Antropologia Social/UFSC Penso sempre, que nenhuma ideia chega sozinha: as idéias são frutos das experiências que compartilhamos ao longo de nossas jornadas. E assim, o percurso da jornada como doutoranda da antropologia, tem me feito deslocar a compreensão do feminismo negro apenas como disputa política na pólis, para a formulação de uma existência do corpo negro produzindo a pólis. Não se trata de pensar disputa, mas sim produção da vida e da história. Corpo, tem parecido ser, um ponto central para as mulheres negras, produzirem teoricamente  sobre sua existência. Ele aparece com frequência em textos teóricos, ensaios e pesquisas. Nas mais diferentes formas e contextos. E é o corpo, meu corpo negro, o corpo negro que vamos pensar nesse texto. Corpo, não como unidade física da existência de uma subjetividade subalternizada e domesticada, mas como o espaço de const

KUKALA - plataforma de cursos e conteúdos para professores, pesquisadores e interessados sobre a história e a cultura africana e afro brasileira

KUKALA é uma palavra Bantu que se refere a infância e a formação das crianças através do ensinamento dos mais velhos, mas tendo a leveza e a felicidade infantil como mediadora do aprender e do ensinar. Na cultura ocidental, seria algo como os pilares da Educação da UNESCO: aprender a aprender, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a ser. Para assinar clique AQUI . Como é: uma plataforma de cursos on line com 8 cursos com certificação de 90 horas cada, válidos para progressão funcional de professores da educação básica, elaborados pelo grupo de pesquisadoras do Coletivo Di Jeje. Os cursos são elaborados a partir da curadoria de conteúdo dentro dos 8 temas que são abordados. Quanto é: o usuário faz um pagamento único no valor de 75 reais e pode acessar o conteúdo durante 06 meses, além dos cursos há materiais de apoio como sugestões de aulas e atividades para serem desenvolvidas da educação infantil até o ensino médio, e também web aulas com especialistas convida