Pular para o conteúdo principal

CONFIRA COM EXCLUSIVIDADE, PLANO DE ESTUDOS SOBRE O ENCARCERAMENTO DE MULHERES

http://coletivodijeje.iluria.com/pd-5a6f0c-plano-de-estudos-semestral-encarceramento-de-mulheres-negras.html?ct=210dbb&p=1&s=1


O debate sobre encarceramento de mulheres no Brasil, certamente precisa ser feito de forma ampla, e precisa considerar dois fatores: faixa etária e racialidade. Um aspecto importante que não pode ser sileciado, é acerca da maternidade dentro do sistema prisional.

Pensando nessas questõs, o Coletivo Di Jeje organizou esse Plano de Estudos Semestral sobre o Encarceramento de Mulheres, com três cursos.


Para nós, é central o acesso ao conhecimento, sobretudo para mulheres negras. E, para garantir o acesso ao conhecimento, que elaboramos os Planos de Estudos Semestrais.

No Plano de Estudo Semestral, a participante ou o participante, poderá percorrer um caminho formativo, em três cursos on line, dentro de um tema.

O Plano de Estudo Semestral sobre o Encarceramento de Mulheres, contempla três cursos: 

1. Sistema Prisional e Encarceramento: O curso busca compreender o cruzamento entre a política de guerra as drogas e a seletividade policialesca e penal e suas resultantes em relação a política de encarceramento em massa. Fazer emergir o direcionamento de tal política a determinadas camadas sociais e grupos raciais, que constitui em si um sistema de punição seleta.
2.Marcadores Sociais de Mulheres Encarceradas:O curso pretende emergir algumas questões levantadas a partir do cruzamento entre questões ligadas ao sistema prisional, classe, raça, gênero e sexualidade. Levantar discussões antropológicas e sociais a respeito da interseccionalidade de mais marcadores sociais da diferença. Refletir sobre os impactos nas existências individuais e coletivas de mulheres encarceradas, sobretudo negras e levantar a questão da possível distinção de intensidade de punição direcionadas a esses corpos. Buscamos, por fim, problematizar as possíveis distinções desses corpos no ambiente de aprisionamento, suas diferenças tanto no campo prático, como em relação a suas existências subjetivas, refletindo sobre suas representações, bem como os fatores que compõe os mecanismos punitivos direcionados as mesmas. A influência de seus marcadores sociais e culturais da diferença, assim como o quanto tais subjetividades informam essas existências políticas e suas narrativas desde o ambiente prisional.
 
3. Politica de drogas, racismo, genocidio e a condição da mulher negra:  Esse é um curso que visa discutir os contornos da política de droga e o impacto direto da mesma na vida da população negra, e a forma como através do combate as drogas, o governo brasileiro, orquestra a mais de 5 décadas o extermínio sistemático da população negra.

Você terá seis meses para desenvolver todo o plano de estudo, poderá acessar dentro da sua rotina e disponibilidade, e ao final receberá 3 certificados de curso livre com 90 horas de duração cada certificado. 

Por ser um Plano de Estudo 
Semestral, serão disponibilizadas apenas 12 vagas, e até dia 22 de Junho, você pode adiquiri-lo com desconto: de 213 reais por R$121, 41, e participará da web aula com a Jaque Conceição sobre O DESAFIO DO FEMINISMO NEGRO NO ATUAL CENÁRIO POLÍTICO DO BRASIL (para saber mais sobre o conteúdo, clique aqui).


Compartilhar conhecimento que emancipa, compartilhar conhecimento que liberta: eis a missão do Coletivo Di Jeje.

http://coletivodijeje.iluria.com/pd-5a6efc-plano-de-estudo-semestral-feminismo-negro.html













http://coletivodijeje.iluria.com/pd-5a6ef3-plano-de-estudo-semestral-intelectuais-negras.html?ct=210dbb&p=1&s=1

http://coletivodijeje.iluria.com/pd-5a6ee0-plano-de-estudos-semestral-novos-feminismos-negros.html?ct=210dbb&p=1&s=1

http://coletivodijeje.iluria.com/pd-5a6ed9-plano-de-estudo-semestral-colecao-o-que-e.html


http://coletivodijeje.iluria.com/pd-5a6eae-plano-de-estudo-semestral-angela-davis.html?ct=210dbb&p=1&s=1

Postagens mais visitadas deste blog

PRECISAMOS FALAR SOBRE COLORISMO

Afinal, o que é COLORISMO ? Qual  a origem desse termo? Há muitas discussões sobre essa temática no Brasil. Expressões como afrobege , afroconveniente , pardo , mestiço , são associadas a temática do colorismo. Existem diversas explicações: a eugênia imposta no Brasil no final do século XIX e começo do século XX, a mestiçagem forçada entre negros e europeus através do estupro de mulheres negras escravizadas .  O processo da mestiçagem racial , também está ligada ao apagamento cultural e histórico da herança africana , presente no processo de construção da identidade brasileira . Pensando sobre a necessidade da realização desse debate, que o Coletivo Di Jeje , te convida para a web aula Colorismo, com Jaque Conceição . A aula vai acontecer on line via streaming , no dia 10 de Julho as 19hs , GRATUITAMENTE . Para participar, acesse o link e se inscreva. As inscrições vão até dia 08 de Julho , e as vagas são LIMITADAS . Haverá emissão de certificados . A

Mulheres Negras: pelo corpo, entre o corpo, no corpo

Jaqueline Conceição da Silv a Fundadora e Coordenadora do Coletivo Di Jeje Doutoranda em Antropologia Social/UFSC Penso sempre, que nenhuma ideia chega sozinha: as idéias são frutos das experiências que compartilhamos ao longo de nossas jornadas. E assim, o percurso da jornada como doutoranda da antropologia, tem me feito deslocar a compreensão do feminismo negro apenas como disputa política na pólis, para a formulação de uma existência do corpo negro produzindo a pólis. Não se trata de pensar disputa, mas sim produção da vida e da história. Corpo, tem parecido ser, um ponto central para as mulheres negras, produzirem teoricamente  sobre sua existência. Ele aparece com frequência em textos teóricos, ensaios e pesquisas. Nas mais diferentes formas e contextos. E é o corpo, meu corpo negro, o corpo negro que vamos pensar nesse texto. Corpo, não como unidade física da existência de uma subjetividade subalternizada e domesticada, mas como o espaço de const

KUKALA - plataforma de cursos e conteúdos para professores, pesquisadores e interessados sobre a história e a cultura africana e afro brasileira

KUKALA é uma palavra Bantu que se refere a infância e a formação das crianças através do ensinamento dos mais velhos, mas tendo a leveza e a felicidade infantil como mediadora do aprender e do ensinar. Na cultura ocidental, seria algo como os pilares da Educação da UNESCO: aprender a aprender, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a ser. Para assinar clique AQUI . Como é: uma plataforma de cursos on line com 8 cursos com certificação de 90 horas cada, válidos para progressão funcional de professores da educação básica, elaborados pelo grupo de pesquisadoras do Coletivo Di Jeje. Os cursos são elaborados a partir da curadoria de conteúdo dentro dos 8 temas que são abordados. Quanto é: o usuário faz um pagamento único no valor de 75 reais e pode acessar o conteúdo durante 06 meses, além dos cursos há materiais de apoio como sugestões de aulas e atividades para serem desenvolvidas da educação infantil até o ensino médio, e também web aulas com especialistas convida