Pular para o conteúdo principal

NKANDA: FORMAÇÃO POLÍTICA PARA MULHERES

Oi, eu sou a Jaque Conceição, sou fundadora e coordenadora do Coletivo Di Jeje
e estou te fazendo um convite especial!Quando eu criei o Di Jeje em 2014, meu 
maior desejo era poder trabalhar com aquilo que eu mais acredito: o conhecimento
 como potencializador de vidas e emancipador das mulheres negras. Foram 
necessários 4 anos para que pudéssemos chegar num modelo de gestão de
 negócio, que possa oferecer conhecimento para mulheres negras de forma 
viável. Nesse sentido, a metodologia de ensino a distância, tem sido uma 
 importante ferramenta.
Toda essa trajetória trouxe reconhecimento, e a expertise em atuar com 
mulheres negras, com um método centrado nas experiências e conhecimentos 
acumulados pelas mulheres ao longo de suas vidas.
          Em 2018, centramos nossas ações em desenhar um produto que pudesse atender
 nossas expectativas: ofertar o maior número possível de cursos on line sobre
 mulheres negras e questão racial no Brasil por um preço altamente acessível.
E conseguimos! Quero apresentar para vocês a NKANDA: a primeira plataforma 
de e-learning com conteúdos sobre mulheres negras e um repositório digital 
de teses, dissertações, artigos, livros, filmes e documentários da temática.
Essa nova plataforma, está sendo implantada paulatinamente, e na fase Beta ,
 nos queremos convidar você que deseja ser nossa aluna, para seguir nessa nova
 jornada.
A ideia central da NKANDA é que você paga um valor anual ou semestral, e tenha
 acesso aos 42 cursos disponíveis hoje na plataforma, podendo cursa-los e
 receber a certificação no final, de acordo com seu interesse.
Todo mês, nos inserimos cursos novos (todos com certificação de 90 horas), e em
 Novembro, o repositório digital estará disponível. Até o final da implantação da 
NKANDA, em Setembro de 2019, teremos 100 cursos e um repositório com mais 
de 1000 materiais.
Hoje queremos convidar você, para ser assinante da NKANDA, e integrar a
 primeira plataforma de e-learning sobre mulheres negras do MUNDO.
Você faz um pagamento único de 60 reais (preço esclusivo para o mês de Julho,
em homenagem ao dia 25 de Julho - dia da mulher negra, caribenha e latino americana,
o preço normal é 204 reais), e pode acessar por 1 ano todos os  conteúdos
disponibilizados na plataforma, e receber o certificado de conclusão  de todos
os cursos que você concluir.
Com isso, você ganha mais autonomia para a gestão da sua formação, tempo 
para percorrer todo o processo dentro da sua rotina e se mantém conectada a 
uma rede virtual de mulheres negras de vários lugares do mundo.
Para assinar, clique AQUI
Os cursos disponíveis são:
Psicanálise e Racismo
O que é branquitude?
O pensamento de Lélia Gonzales
O pensamento de Abdias do Nascimento
O pensamento de Frantz Fanon
O pensamento de Kabenguele Munanga
O que é demcoracia racial?
Violência de gênero
O que é lugar de fala?

O que é colorismo?

O que é feminismo?

O pensamento de Beatriz Nascimento

O pensamento de bell hooks

Transsexualidade e racismo

A história do movimento negro no Brasil

Mulher Negra: construção histórica e resistência

O pensamento de Angela Davis: de 1975 aos anos 2000

Gênero, relação étnico racial e formação escolar

O que é racismo?

Politica de drogas: racismo, genocido e a condição da mulher negra

Feminismo Interseccional

Feminismo Negro, cyber ativismo e a luta anti racista

Masculinidade Negra e o Feminismo Negro

O que é o feminismo negro?

Candomblé, feminino e ancestralidade

Pluralidades; mulher negra e lésbica

Marcadores sociais de mulheres encarceradas

Saúde sexual e reprodutiva da mulher negra

Sistema prisional e o encarceramento feminino

50 anos dos Panteras Negras: feminismo negro e resistência

O feminismo negro no Brasil - Lélia Gonzalez e Beatriz Nascimento

O pensamento de Angela Davis

A historia do feminismo negro no Brasil

A importância histórica do candomblé

A geração tombamento: pressupostos históricos e paradigmas atuais

O que é panafricanismo?

E então, vamos juntas?
Para fazer parte da NKANDA, acesse AQUI e faça sua compra.
Juntas somos mais fortes!
Abraços
Professora Jaque Conceição
Fundadora e Coordenadora do Coletivo Di Jeje
Conhecimento que emancipa, conhecimento que liberta

Postagens mais visitadas deste blog

KUKALA - plataforma de cursos e conteúdos para professores, pesquisadores e interessados sobre a história e a cultura africana e afro brasileira

KUKALA é uma palavra Bantu que se refere a infância e a formação das crianças através do ensinamento dos mais velhos, mas tendo a leveza e a felicidade infantil como mediadora do aprender e do ensinar. Na cultura ocidental, seria algo como os pilares da Educação da UNESCO: aprender a aprender, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a ser. Para assinar clique AQUI.
Como é: uma plataforma de cursos on line com 8 cursos com certificação de 90 horas cada, válidos para progressão funcional de professores da educação básica, elaborados pelo grupo de pesquisadoras do Coletivo Di Jeje. Os cursos são elaborados a partir da curadoria de conteúdo dentro dos 8 temas que são abordados.

Quanto é: o usuário faz um pagamento único no valor de 75 reais e pode acessar o conteúdo durante 06 meses, além dos cursos há materiais de apoio como sugestões de aulas e atividades para serem desenvolvidas da educação infantil até o ensino médio, e também web aulas com especialistas convidados.

O pagamento …

Mulheres Negras: pelo corpo, entre o corpo, no corpo

Jaqueline Conceição da Silva Fundadora e Coordenadora do Coletivo Di Jeje Doutoranda em Antropologia Social/UFSC





Penso sempre, que nenhuma ideia chega sozinha: as idéias são frutos das experiências que
compartilhamos ao longo de nossas jornadas. E assim, o percurso da jornada como doutoranda
da antropologia, tem me feito deslocar a compreensão do feminismo negro apenas como disputa
política na pólis, para a formulação de uma existência do corpo negro produzindo a pólis. Não se
trata de pensar disputa, mas sim produção da vida e da história.
Corpo, tem parecido ser, um ponto central para as mulheres negras, produzirem teoricamente  sobre
sua existência. Ele aparece com frequência em textos teóricos, ensaios e pesquisas. Nas mais
diferentes formas e contextos. E é o corpo, meu corpo negro, o corpo negro que vamos pensar nesse texto. Corpo, não como unidade física da existência de uma subjetividade subalternizada e domesticada, mas como o espaço de construção e efetivação de formas de pensar …