Pular para o conteúdo principal

JULHO DAS PRETAS - Assine a NKANDA - plataforma de cursos sobre feminismo negro e relações étnico raciais por 60 reais no plano anual



NKANDA é uma plataforma de e-learning (ensino virtual), que contempla uma série de conteúdos: cursos com certificado de 90 horas, podcasts, vídeos, livros, teses e dissertações, filmes, documentários e artigos, todos sobre feminismo e relações étnico raciais no Brasil, América Latina, África e Estados Unidos, desenvolvida pelas especialistas e pesquisadoras do Coletivo Di Jeje.


O Coletivo Di Jeje é um centro de pesquisa e formação política para mulheres, organizado e mantido por mulheres negras. Todos os cursos são feitos com curadoria de pesquisadoras negras, e tem por objetivo estimular o debate crítico dentro das áreas de atuação e inserção dos temas propostos, fazendo com que mulheres negras, possam ser protagonistas de suas trajetórias, memórias e processos políticos de emancipação. 


Coordenado pela Professora Doutoranda em Antropologia Social (UFSC) e Psicanalista Jaque Conceição. Formada em Pedagogia e Mestra em Educação: História, Politica, Sociedade (PUC-SP) é responsável pela coordenação pedagógica dos cursos elaborados e pela coordenação geral do Coletivo Di Jeje. 


Criado em 2014, o espaço já formou mais de 4000 mil mulheres que passaram por seus cursos on line e presencial. Com uma metodologia adaptativa à rotina das e dos participantes, os cursos on line permitem que os alunos e alunas possam adequar as atividades virtuais a s suas rotinas e desejos, estabelecendo a partir de suas necessidades um plano de ensino dentro da NKANDA (NKANDA é uma palavra Bantu que significa mapa). Os cursos presenciais são elaborados a partir da concepção freiriana de tema gerador, e contam com uma metodologia de educação anti racista, onde a experiência das participantes é o ponto central do saber fazer mediado nas rodas de feminismo negro. 


O Coletivo possui também um programa de educação corporativa, com rodas de mediação sobre racismo e gênero chamado IFÁ e voltado para empresas. O programa compreende rodas de conhecimento e o acompanhamento em uma plataforma virtual com cursos, filmes, documentários e fóruns de discussão.

Para acessar a NKANDA existem três opções de assinatura. mensal, semestral e anual. Após o pagamento de sua assinatura, você pode acessar todos nossos cursos e conteúdo quantas vezes quiser, durante o período de sua assinatura, e receber a certificação de todos os cursos que concluir. Você pode acessar os cursos e todos os conteúdos dentro da sua rotina, inclusive do seu celular. 

A NKANDA é uma plataforma aberta para todos e todas (pessoas cis e trans, negras e brancas) que desejem produzir conhecimento, ampliar perspectivas e contribuir para o debate sobre as relações de gênero e étnico raciais no Brasil. Você fará parte de uma comunidade internacional de pesquisadores, intelectuais e ativistas negras, que se reúnem em torno de discussões sobre a condição da mulher, e principalmente da mulher negra no mundo todo.

Como assinar: 


Em Julho, como homenagem ao mês da mulher negra, a assinatura anual da Nkanda de 204 reais está por 60 REAIS, você pode pagar por depósito/transferência ou cartão de crédito em até 12 vezes. Acesse o link e faça sua assinatura! A promoção é válida até dia 31 de Julho e serão disponibilizadas 33 vagas.
Faça um pagamento único, e tenha acesso por 12 meses!

Material disponível: 


  • Feminismo Negro
O feminismo negro no Brasil - Lélia Gonzalez e Beatriz Nascimento (exclusivo para assinantes)
A história do feminismo negro no Brasil (exclusivo para assinantes)


  • Intelectuais Negras
O pensamento de Beatriz Nascimento (exclusivo para assinantes)
O pensamento de bell hooks (exclusivos para assinantes)
O pensamento de Angela Davis (exclusivo para assinantes)
O PENSAMENTO DE SUELI CARNEIRO (exclusivo para assinantes)
O pensamento de Beatriz Nascimento (exclusivo para assinantes)
O pensamento de bell hooks (exclusivos para assinantes)
O pensamento de Angela Davis: de 1975 aos anos 2000 (exclusivo para assinantes)

  • Sistema Prisional e Genocídio da População Negra
Política de drogas: racismo, genocídio e a condição da mulher negra
Marcadores sociais de mulheres encarceradas
Sistema prisional e o encarceramento feminino


  • Subjetividade da Mulher Negra
Mulher Negra: construção histórica e resistência

  • Saúde e Sexualidade da Mulher Negra
Transsexualidade e racismo
Pluralidades: mulher negra e lésbica
Saúde sexual e reprodutiva da mulher negra


  • Coleção o que é
O que é lugar de fala?
O que é colorismo?
O que é feminismo?
O que é racismo?
O que é o feminismo negro? (exclusivo para assinantes)


  • Movimento Negro
Mito da Democracia Racial do Brasil (exclusivo para assinantes)
A história do movimento negro no Brasil
50 anos dos Panteras Negras: feminismo negro e resistência


  • Mídia e Comunicação
Mulher Negra e a representatividade na mídia (exclusivo para assinantes)
Mulher Negra, cinema e os movimentos de resistência (exclusivo)


  • Violência Contra a Mulher
VIOLÊNCIA DE GÊNERO (exclusivo para assinantes)


  • Religião de Matriz Africana
Candomblé, feminino e ancestralidade
A importância histórica do candomblé


  • Novos Feminismos
Feminismo Interseccional
Feminismo Negro, ciberativismo e a luta anti racista
Masculinidade Negra e o Feminismo Negro
A geração tombamento: pressupostos históricos e paradigmas atuais
O que é panafricanismo

Selo Editorial Luango lança dois livros em Julho


Em Julho, o Coletivo Di Jeje, através do seu Selo Editorial Luango, vai lançar dois livros - A história do Feminismo Negro no Brasil escrito pela Professora e Doutoranda em Antropologia Social Jaque Conceição, o livro que conta a história do feminismo negro, dialogando com intelectuais que construíram esse campo nos Estados Unidos e Brasil nos anos 60/70/80/90 do século XX.


E o livro Poder da criação: racismo e outras histórias sobre os festivais de samba enredo nas encruzilhadas do Sul, escrito pelo Professor Doutor em Antropologia Social/UFRGS Marcelo da Silva, o livro discute a partir da etnomusicologia a relação entre festivais de samba enredo, racismo e diáspora no Sul do País. 


Ambos estão disponíveis na pré venda com frete grátis!


Adquira agora seu exemplar (CLIQUE NA IMAGEM PARA COMPRAR)


                                     












Postagens mais visitadas deste blog

KUKALA - plataforma de cursos e conteúdos para professores, pesquisadores e interessados sobre a história e a cultura africana e afro brasileira

KUKALA é uma palavra Bantu que se refere a infância e a formação das crianças através do ensinamento dos mais velhos, mas tendo a leveza e a felicidade infantil como mediadora do aprender e do ensinar. Na cultura ocidental, seria algo como os pilares da Educação da UNESCO: aprender a aprender, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a ser. Para assinar clique AQUI.
Como é: uma plataforma de cursos on line com 8 cursos com certificação de 90 horas cada, válidos para progressão funcional de professores da educação básica, elaborados pelo grupo de pesquisadoras do Coletivo Di Jeje. Os cursos são elaborados a partir da curadoria de conteúdo dentro dos 8 temas que são abordados.

Quanto é: o usuário faz um pagamento único no valor de 75 reais e pode acessar o conteúdo durante 06 meses, além dos cursos há materiais de apoio como sugestões de aulas e atividades para serem desenvolvidas da educação infantil até o ensino médio, e também web aulas com especialistas convidados.

O pagamento …

Mulheres Negras: pelo corpo, entre o corpo, no corpo

Jaqueline Conceição da Silva Fundadora e Coordenadora do Coletivo Di Jeje Doutoranda em Antropologia Social/UFSC





Penso sempre, que nenhuma ideia chega sozinha: as idéias são frutos das experiências que
compartilhamos ao longo de nossas jornadas. E assim, o percurso da jornada como doutoranda
da antropologia, tem me feito deslocar a compreensão do feminismo negro apenas como disputa
política na pólis, para a formulação de uma existência do corpo negro produzindo a pólis. Não se
trata de pensar disputa, mas sim produção da vida e da história.
Corpo, tem parecido ser, um ponto central para as mulheres negras, produzirem teoricamente  sobre
sua existência. Ele aparece com frequência em textos teóricos, ensaios e pesquisas. Nas mais
diferentes formas e contextos. E é o corpo, meu corpo negro, o corpo negro que vamos pensar nesse texto. Corpo, não como unidade física da existência de uma subjetividade subalternizada e domesticada, mas como o espaço de construção e efetivação de formas de pensar …

NKANDA: FORMAÇÃO POLÍTICA PARA MULHERES

Oi, eu sou a Jaque Conceição, sou fundadora e coordenadora do Coletivo Di Jeje, 
e estou te fazendo um convite especial!Quando eu criei o Di Jeje em 2014, meu 
maior desejo era poder trabalhar com aquilo que eu mais acredito: o conhecimento
 como potencializador de vidas e emancipador das mulheres negras. Foram 
necessários 4 anos para que pudéssemos chegar num modelo de gestão de
 negócio, que possa oferecer conhecimento para mulheres negras de forma 
viável. Nesse sentido, a metodologia de ensino a distância, tem sido uma 
importante ferramenta. Toda essa trajetória trouxe reconhecimento, e a expertise em atuar com 
mulheres negras, com um