Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2019

Viva Zumbi ou a quase todos quase pretos

Por Jaqueline Conceição da Silva Fundadora e Coordenadora do Coletivo Di Jeje Doutoranda em Antropologia Social/UFSC


Como diria Caetano Veloso: são quase todos pretos, ou quase brancos, ou quase pretos de tão pobres. Começo esse texto com esse trecho de Haiti, por que no dia de hoje, me lembrei de um trecho do Documentário Ori da Beatriz Nascimento, uma importante historiadora sobre os afro brasileiros, onde ela discute sobre a "ideia" de que os quilombos foram a "experiência africana inaugural" dos negros no Brasil. Onde começa a experiência dos sujeitos acerca de suas tradições, memórias, costumes, saberes e fazeres? Como, pensar numa possibilidade de experiência marcada pelo fazer-saber do corpo, quando temos o atravessamento de quase 400 anos de escravidão, onde justamente o corpo negro era insistentemente marcado e domesticado? Se por um lado, Walter Benjamin nos presenteia com a máxima de que a experiência só se dá no corpo, pelo corpo e através do corpo, An…

Mulheres Negras: pelo corpo, entre o corpo, no corpo

Jaqueline Conceição da Silva Fundadora e Coordenadora do Coletivo Di Jeje Doutoranda em Antropologia Social/UFSC





Penso sempre, que nenhuma ideia chega sozinha: as idéias são frutos das experiências que
compartilhamos ao longo de nossas jornadas. E assim, o percurso da jornada como doutoranda
da antropologia, tem me feito deslocar a compreensão do feminismo negro apenas como disputa
política na pólis, para a formulação de uma existência do corpo negro produzindo a pólis. Não se
trata de pensar disputa, mas sim produção da vida e da história.
Corpo, tem parecido ser, um ponto central para as mulheres negras, produzirem teoricamente  sobre
sua existência. Ele aparece com frequência em textos teóricos, ensaios e pesquisas. Nas mais
diferentes formas e contextos. E é o corpo, meu corpo negro, o corpo negro que vamos pensar nesse texto. Corpo, não como unidade física da existência de uma subjetividade subalternizada e domesticada, mas como o espaço de construção e efetivação de formas de pensar …