Pular para o conteúdo principal

CURSO ON LINE SOBRE ENCARCERAMENTO FEMININO COMEÇA EM MARÇO





A população carcerária feminina subiu de 5.601 para 37.380 detentas entre 2000 e 2014, um crescimento de 567% em 15 anos. A maioria dos casos é por tráfico de drogas, motivo de 68% das prisões. Os dados integram o Infopen Mulheres, levantamento nacional de informações penitenciárias do Ministério da Justiça, que, pela primeira vez, aprofunda a análise com o recorte de gênero.

No total, as mulheres representam 6,4% da população carcerária do Brasil, que é de aproximadamente 607 mil detentos. A taxa de mulheres presas no país é superior ao crescimento geral da população carcerária, que teve aumento de 119% no mesmo período. Na comparação com outros países, o Brasil apresenta a quinta maior população carcerária feminina do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos (205.400 detentas), China (103.766) Rússia (53.304) e Tailândia (44.751).

Cerca de 30% das presas no Brasil ainda aguardam julgamento. Sergipe lidera o número de presas provisórias, com 99% das detentas nessa condição, enquanto em São Paulo, apenas 9% delas aguardam sentença da Justiça.
O estudo também revelou que a maioria das mulheres presas no país (68%) é negra, enquanto 31% são brancas e 1%, amarela. No Acre, 100% das detentas eram negras em junho de 2014. O segundo estado com o maior percentual é o Ceará, com 94%, seguido da Bahia, com 92% de presas negras. O número de indígenas não chega a 1% da população carcerária feminina nacional. À época da pesquisa, só existiam presas indígenas nos estados de Roraima, Amapá, Mato Grosso do Sul e Tocantins.
Quanto à faixa etária, cerca de 50% das mulheres encarceradas têm entre 18 e 29 anos; 18%, entre 30 e 34 anos; 21%, entre 35 e 45 anos; 10% estão na faixa etária entre 46 e 60%; e 1%, tem idade entre 61 e 70 anos. Segundo o levantamento, em junho do ano passado não haviam presas com idade acima dos 70 anos.
Quando o assunto é escolaridade, apenas 11% delas concluíram o Ensino Médio e o número de concluintes do Ensino Superior ficou abaixo de 1%. Metade das detentas possui o Ensino Fundamental incompleto, 50%, e 4% são analfabetas.
Apenas 34% dos estabelecimentos femininos dispõem de cela ou dormitório adequado para gestantes. Nos estabelecimentos mistos, somente 6% das unidades dispõem de espaço específico para a custódia de gestantes. Quanto à existência de berçário ou centro de referência materno infantil, 32% das unidades femininas contam com o espaço, enquanto apenas 3% das unidades mistas possuem essa estrutura. Somente 5% das unidades femininas dispõem de creche, não sendo registrada pelo estudo nenhuma creche instalada em unidades mistas.

Reprodução:
Autoria Waleiska Fernandes
Agência CNJ de Notícias
Fonte: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/80853-populacao-carceraria-feminina-aumentou-567-em-15-anos-no-brasil

________________________________________________________

Serviço:
Curso On Line O sistema penitenciário e o encarceramento de mulheres
Público Alvo: pesquisadores e interessados sobre o tema
Conteúdo: o sistema prisional brasileiro e os acordos internacionais no campo de direitos humanos, a politica de segurança publica, o encarceramento de mulheres. 



Postagens mais visitadas deste blog

CURSO ON LINE SOBRE FEMINISMO INTERSECCIONAL COMEÇA EM SETEMBRO

Curso pretende discutir o conceito de interseccionalidade e pensamento decolonial, dentro do feminismo na América Latina. Inscrições já estão abertas, e curso começa em Setembro com certificação de 90 horas. Inscreva-se!
Interseccionalidade (ou teoria interseccional) é o estudo da sobreposição ou intersecção de identidades sociais e sistemas relacionados de opressão, dominação ou discriminação. 

A teoria sugere e procura examinar como diferentes categorias biológicas, sociais e culturais, tais como gênero, raça, classe, capacidade, orientação sexual, religião, casta, idade e outros eixos de identidade interagem em níveis múltiplos e muitas vezes simultâneos. Este quadro pode ser usado para entender como a injustiça e a desigualdade social sistêmica ocorrem em uma base multidimensional.

A interseccionalidade sustenta que as conceituações clássicas de opressão dentro da sociedade — tais como o racismo, o sexismo, o classismo, capacitismo, bifobia, homofobia e a transfobia e intolerâncias b…

DI JEJE LANÇA CURSO INÉDITO SOBRE MASCULINIDADE NEGRA E FEMINISMO NEGRO

No dia 30 de Agosto, começará o curso inédito sobre masculinidade negra. O encontro virtual têm por objetivo discutir a masculinidade negra a partir do feminismo negro. Serão oferecidas 42 vagas, inscreva-se!




Os debates sobre a condição do homem negro, faz parte das demandas e analises do feminismo negro. Analisar o genocídio da juventude negra, passando pela afetividade e chegando na formação da masculinidade negra é fundamental para avançarmos sobre a realidade a fim de compreender a condição do individuo negro. Esse curso pretende apresentar as pesquisas realizadas no campo, aliar algumas discussões articuladas por feministas negras brasileiras e estadudinenses, e pautar o pensamento de Frantz Fanon. Acontece totalmente on line, tem duração de 90 horas com certificação ao final. Inscreva-se!
Ementa: discutir o conceito de masculinidade e compreender o processo de constituição da masculinidade negra, a partir da contribuição do feminismo negro.
Módulo 1 - O que é masculinidade negra? …

Curso on line sobre feminismo negro, racismo e cyber ativismo começa em Setembro

Curso abordará o feminismo negro e a luta anti racista a partir do cyber ativismo, destacando a articulação via mídias sociais. O curso começa dia 10 de Outubro, acontecerá on line e oferecerá 24 vagas. Inscreva-se!



ciberativismo é um termo recente e consiste na utilização da internet por grupos politicamente motivados que buscam difundir informações e reivindicações sem qualquer elemento intermediário com o objetivo de buscar apoio, debater e trocar informação, organizar e mobilizar indivíduos para ações, dentro e fora da rede. Hastages, tuitaços, likes, lives e afins são as estratégias utilizadas pela nova geração de ativistas.  No movimento negro, isso não tem sido diferente, sobretudo podemos destacar ativistas negras que se destacam por suas reflexões, analises e proposições, e que muitas vezes extrapolam as midias digitais. Nesse curso, vamos conehcer a produção realizada pela arquiteta, feminista negra e ativista Stephanie Ribeiro, além de conhecermos sobre o trabalho desenvolvi…